Cigarro eletrônico não ajuda a parar de fumar e estimula vício

Especialistas indicam que o dispositivo não auxilia no desmame da nicotina no tratamento da dependência química.

Criado no início dos anos 2000, o cigarro eletrônico tinha como objetivo diminuir a dependência de nicotina, mas o tiro saiu pela culatra.

Para o Dia Mundial Sem Tabaco, 31 de maio, especialistas alertam que o dispositivo, também conhecido como vape, não ajuda a parar de fumar e ainda estimula novos fumantes.

Vendido como um produto menos prejudicial a saúde, seus principais consumidores são jovens, seduzidos pelos sabores disponíveis e a praticidade que oferece.

O relatório Covitel (Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas não Transmissíveis em Tempos de Pandemia), realizado nos meses de janeiro, fevereiro e março deste ano pela organização Vital Strategies e pela UFPel (Universidade Federal de Pelotas), revelou que 19,7% dos brasileiros de 18 a 24 anos já experimentaram cigarros eletrônicos. Ou seja, um a cada cinco jovens no país usou ou usa o dispositivo.

A AMB (Associação Médica Brasileira) estima que 650 mil pessoas sejam usuárias de cigarros eletrônicos no Brasil. São, porém, ilegais no país.

Em 2009, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a comercialização, importação e propaganda de cigarros eletrônicos. Dez anos depois, o órgão abriu discussão para uma possível atualização da Resolução.

No início de maio de 2022, representantes de 50 entidades médicas divulgaram um documento com informações sobre os males desses dispositivos e se posicionaram a favor da proibição.

Wagner Ferreira, 26, de São Paulo, começou a fumar o cigarro comum aos 13 anos, mas acabou migrando para o eletrônico. “Parei durante um tempo, mas depois voltei quando tinha 22 anos. Mais recentemente, passei a fumar o eletrônico junto com o convencional”, relata.

Ao contrário do convencional, que queima por combustão, os vapes funcionam por vaporização. Eles contém um líquido que é aquecido e gera o vapor aspirado pelo usuário. O que o torna prático é o reabastecimento, que permite manter o mesmo dispositivo por anos.

Os chamados Dispositivos Eletrônicos para Fumar como conhecemos hoje foram criados em 2003 por Hon Lik, um farmacêutico chinês que buscava um caminho para largar o tabagismo após perder o pai por câncer de pulmão.

“Ele nasceu com a promessa de simular a dependência em nicotina de forma mais leve e, teoricamente, menos tóxica para as pessoas conseguirem deixar o vício. Mas na prática isso não aconteceu”, conta o oncologista Igor Morbeck, membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.

Isso porque, ao contrário do que boa parte das pessoas acredita, os cigarros eletrônicos possuem, sim, nicotina na sua composição. A cardiologista Jaqueline Scholz, assessora científica da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo), explica que, inicialmente, a carga da substância fornecida por esses dispositivos de fato era mais baixa.

“Mas os atuais, pertencentes à terceira e quarta geração, são mais potentes. As pessoas até conseguem trocar o convencional pelo eletrônico, mas não param de fumar”, alerta a especialista. Os especialistas ouvidos pela Folha frisam que não há evidências científicas suficientes que mostrem que esses dispositivos ajudem no desmame da nicotina no tratamento da dependência química.

No entanto, eles possuem a vantagem de não conter alcatrão e monóxido de carbono, que seriam os responsáveis, no produto original, por causar infarto e tumores. Só que isso não significa que os DEFs não sejam prejudiciais.

Scholz alerta para outras substâncias tóxicas presentes no líquido do vape. “Além da nicotina, ele é composto por partículas ultrafinas de metais pesados, alta concentração de níquel, elementos aromáticos, glicerol e outros aditivos. Essa interação, inclusive, forma novas substâncias desconhecidas.”

Esse conjunto tem uma capacidade inflamatória que acarreta em problemas para a saúde respiratória e cardiovascular, favorecendo a hipertensão, aterosclerose, infarto e até a morte. Em 2019, uma nova síndrome respiratória, que provocava fibrose pulmonar, pneumonia e insuficiência respiratória, aterrorizou os Estados Unidos em meio a pandemia de Covid-19.

Até janeiro de 2020, o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças do governo americano) havia registrado 2.711 casos hospitalizados e, até fevereiro, 68 mortes haviam sido confirmadas no país. Após várias análises, detectaram que a doença, batizada de Evali (lesão pulmonar induzida pelo cigarro eletrônico, em português), era relacionada ao uso do dispositivo.

O cigarro convencional também provoca problemas no aparelho respiratório e cardíaco, mas o que preocupa a comunidade médica em relação ao vapes é a velocidade com a qual esses eventos ocorrem.

Scholz afirma que são necessários cerca de 20 anos de exposição ao cigarro para notar o surgimento desses transtornos. “É até comum conhecer pessoas que fumam a vida toda e aparentemente estão bem. Mas, com o uso de cigarro eletrônico, alguém que utiliza há três ou quatro anos já apresenta esses problemas. É assustador”, complementa o oncologista Morbeck.

POR QUE OS JOVENS SÃO OS PRINCIPAIS USUÁRIOS DE CIGARRO ELETRÔNICO?

Wagner conta que incluiu o vape na rotina por causa da praticidade que ele oferece, já que não precisa acender um filtro e esperar queimar inteiro, como é o convencional. Você pode aspirar aos poucos.

“Ele ajuda em situações que o comum é mais ‘aceito’ socialmente. Se você vai para uma festa, é mais fácil porque você tem sempre à mão. Além disso, não tem cheiro.Você consegue consumir nicotina sem incomodar as outras pessoas”, relata.

O psiquiatra André Malbergier, professor da FM/USP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), diz que esse não é o único motivo que torna os vapers populares entre os mais novos.

“Como toda droga, o apelo é sempre maior na população jovem. Em geral, até os líquidos usados mostram isso, por serem sabores de tutti-frutti, hortelã, refrigerante… Isso dá uma falsa impressão de que os cigarros são só aromatizados, já que nicotina não tem sabor”, discorre Malbergier.

O design dos dispositivos também é cointribui para sua popularidade. Com tamanhos que cabem na palma da mão, são conhecidos como pen-drives por causa do formato similar. Alguns são até estampados.

Um recente estudo da Universidade de San Diego, na Califórnia, mostrou que pessoas de 12 a 24 anos que experimentam cigarro eletrônico correm um risco três vezes maior de se tornarem fumantes diários em relação a quem nunca utilizou o dispositivo.

“A sociedade como um todo tem que estar atenta a esse produto, que não é seguro. Tabagismo é uma doença e o cigarro eletrônico não é um tratamento”, finaliza a cardiologista Scholz.

Mais Notícias

Foto: Reprodução | Instagram
junho 21, 2024

Paralisia facial

Pouring powder on water glass on  background
junho 21, 2024

SAIBA COMO PRODUZIR SORO PARA LAVAGEM NASAL EM CASA

quando os sons irritam
junho 21, 2024

Quando os sons irritam: Hiperacusia, fonofobia e misofonia.

ciclistas e pedestres em Barcelona
junho 21, 2024

Falta de exercício físico gera nova ameaça mundial, alerta estudo